História e Fotos de Itajaí

HISTÓRIA DA CIDADE DE ITAJAÍ
G
E
C
P
S

OCUPAÇÃO PORTUGUESA DA COSTA CATARINENSE

As terras do litoral catarinense estavam compreendidas, até Laguna, no Sul, dentro do território pertencente a Portugal, nos limites estabelecidos pelo Tratado de Tordesilhas. Quando da divisão do Brasil colonial em capitanias hereditárias, em 1532, as terras catarinenses ficaram incluídas na Capitania de Sant’Ana, doada a Pero Lopes de Souza.
A ocupação portuguesa e a colonização destas terras, a partir do século XVII, deveram-se principalmente ao interesse da Coroa lusitana na exploração de possíveis minas de ouro e à disputa com Espanha, que entendia lhe pertencerem as terras catarinenses. Durante o século XVII, os paulistas fundaram os primeiros núcleos populacionais do litoral de Santa Catarina: São Francisco do Sul (1672), e Laguna (1684).
Já a partir do século XVII, diversas recomendações foram feitas ao governo colonial no sentido de se promover a colonização das terras do Vale do Itajaí, consideradas férteis e estratégicas para a fundação de colônias. No entanto, tais recomendações não foram levadas em conta.
 
JOÃO DIAS DE ARZÃO: À CATA DE OURO
 
A ocupação das terras do Itajaí pelo homem branco se daria pela iniciativa particular de João Dias de Arzão, companheiro do fundador de São Francisco do Sul em 1658. João Dias de Arzão era paulista e sua família, há tempo, procurava minas de ouro e outros metais preciosos pelo interior do Brasil.
Naquele ano, ele requereu e obteve uma sesmaria, que vem a ser um lote colonial, às margens do rio Itajaí-Açu, em frente à foz do rio Itajaí-Mirim e ali construiu moradia. Não tinha ele, porém, intenção de fundar uma povoa, nem empreendeu meios para tal. Seu interesse maior era a cata de ouro, no que afinal não teve sucesso.
 
ÍNDIOS: CARIJÓS E CAIGANGUES
 
Quando os primeiros colonizadores vieram se fixar nas terras junto à Foz do rio Itajaí-Açu, os indígenas ainda faziam frente à ocupação das mesmas terras que, pouco a pouco, lhes foram tomadas.
Estes índios eram os Botocudos ou Caigangues, do grupo Tapuia (hoje conhecidos por Xokleng). Os Carijós, que moravam à beira-mar, já estavam praticamente extintos naquela época.
Nas pesquisas arqueológicas sobre populações pré-coloniais, encontraram-se, em Itajaí, dois Sambaquis (sítios arqueológicos).
O primeiro ficava em Balneário de Cabeçudas, descoberto em dezembro de 1970, sendo encontrado acidentalmente. O segundo sítio, também descoberto acidentalmente em 1988, encontrava-se em Itaipava. Os esqueletos removidos de Cabeçudas foram transferidos para Florianópolis e para a Santur, em Bal. Camboriú.
Da antiga presença dos índios em nossas terras hoje só nos resta sua lembrança nos nomes de alguns lugares do Município: Canhanduba, Itaipava, Ariribá, Guaraponga e Itajaí, bem como o nome de alguns clubes, como no caso a Sociedade Guarani e o Grupo de Bolão Tapuia.
 
MADEIRA, PESCA E AGRICULTURA: PRIMEIRAS ATIVIDADES ECONÔMICAS
 
Durante todo o século XVIII, a grande atividade econômica desenvolvida nas terras do Itajaí foi a extração de madeiras. Isto ocasionou uma afluência de moradores, notadamente açorianos, muitos simples posseiros, que foram se fixando por toda a região junto da Foz do rio Itajaí-Açu, embora esparsadamente. A madeira era desdobrada em tábuas nas serrarias manuais, em geral tocadas pelos braços de escravos negros e a seguir exportada para Santos e Rio de Janeiro. Foi tão indiscriminada e depredadora a derrubada de madeiras que, já no final do século XVIII, o governo português decretou ser privilégio real o corte das melhores espécies.
A riqueza da madeira disponível, a abundância da pesca e a fertilidade das terras motivaram verdadeira corrida especulatória. Altos funcionários públicos, militares, eclesiásticos e comerciantes abastados da sede da Capitania de Santa Catarina requeriam sucessivas sesmarias, burlando a lei que lhes exigia benfeitorias de colonização e prejudicando o direito de posse de moradores antes estabelecidos; o que vai eresultar em seguidas pendências judiciais. Assim, no começo do século XIX, as terras da Foz do Itajaí estavam todas tomadas por diversos sesmeeiros.
 
VASCONCELOS DE DRUMMOND: COLÔNIA MALOGRADA
 
Foi a inexistência de qualquer obra e ao mesmo tempo as vantagens econômicas da exploração da madeira que animaram o jovem carioca de 25 anos, Antônio Menezes Vasconcelos de Drummond, que estava em Santa Catarina como contratador dos reais cortes de madeira, a solicitar o apoio governamental para a fundação de uma colônia nas terras de Itajaí. Por Aviso Real de 05 de janeiro de 1820, o Rei D. João VI autorizou Drummond a estabelecer uma colônia em duas sesmarias reais junto do rio Itajaí-Mirim, na região da agora Itaipava. Com a ajuda de soldados dispensados de um batalhão da sede da capitania, Drummond iniciou a derrubada das matas que permitisse começar as plantações e a construção de casas para os colonos. A planta da futura colônia foi levantada pelo coronel português Antônio José Rodrigues.
Estavam nestes trabalhos preliminares de implantação da colônia, que se chamara “São Tomás de Vilanova” – evidente homenagem ao Ministro do Rei e protetor Tomás Antônio de Vilanova Portugal – quando a situação política portuguesa exigiu a volta do rei a Portugal. Drummond então resolveu suspender os trabalhos, pois sabia que se acabaria o apoio do governo e retornou ao Rio de Janeiro. Sobre a sorte da sua colônia, é ele próprio que, anos mais tarde, vai afirmar: “não houve tempo nem meios de levar a cabo”.
 
AGOSTINHO ALVES RAMOS: FUNDAÇÃO DE ITAJAÍ.
 
No começo do século XIX, intensificou-se o comércio que os moradores do Itajaí faziam com comerciantes de várias vilas do litoral catarinense. Foi numa dessas viagens de negócio que Agostinho Alves Ramos pela primeira vez veio à Foz do Itajaí-Açu. Era português e sócio de uma casa comercial em Desterro. Homem de muito tino comercial, inteligente e bastante culto, logo percebeu o bom ponto para comércio e aqui se estabeleceu com a mulher Ana Maria Rita. Com vistas a fundar uma povoa, tratou logo de encabeçar um requerimento ao Bispo do Rio de Janeiro para a criação de um Curato, afinal criado a 31 de março de 1824.
Com a criação do Curato do Santíssimo Sacramento, estava fundada Itajaí. A pequenina capela e o cemitério que lhe ficava aos fundos começaram a ser então rodeados de outros moradores, entre os quais a maior liderança era Agostinho Alves Ramos, o fundador.
 
LUSO-AÇORIANOS E OUTROS IMIGRANTES: ORIGEM DA GENTE ITAJAIENSE
 
Foi gente de São Francisco do Sul, Florianópolis, Armação do Itapocorói, São Miguel da Terra Firme, majoritariamente luso-açorianos, que formou o primeiro grupo de moradores de Itajaí. Devido à excelente posição geográfica, junto à Foz do rio Itajaí-Açu e dispondo de bom porto, a localidade, desde os primeiros tempos de seu povoamento, recebeu moradores de outros pontos de Santa Catarina e do Brasil, bem como alguns elementos estrangeiros. Esta contribuição estrangeira mais cresceria com a fundação das primeiras colônias no interior do Vale, em meados do século XIX, com seus numerosos contingentes de alemães, italianos e poloneses.
Em que pese a variedade de etnias imigrantes que constituíram a população itajaiense, a marca cultural prevalecente da cidade ficou sendo a luso-açoriana. Nas festas e tradições populares, no artesanato, na culinária, no linguajar do povo, o que se observa são expressões da cultura de base açoriana.
 
Quando em 1858, um grupo de destacados moradores encabeçou o movimento para a criação do Município de Itajaí, Agostinho Alves Ramos não mais vivia. Morrera em 1853 e fora sepultado no cemitério da pequena povoação. A emancipação política foi uma luta gloriosa, pois houve cerrada oposição da Câmara Municipal de Porto Belo, a quem a já Freguesia de Itajaí estava subordinada. A assembléia Provincial de Santa Catarina, pela Resolução n° 464, de 04 de abril de 1859, criou o Município de Itajaí, que só foi instalado em 15 de junho de 1860, com a posse dos primeiros vereadores: Joaquim Pereira Liberato (Presidente), José Henrique Flores, Claudino José Francisco Pacheco, José da silva Mafra, Francisco Antônio de Souza, Jacinto Zuzarte de Freitas e Manoel José Pereira Máximo.
 
Prof. Edison d ’Ávila

 

Com o intuito de comercializar produtos da pesca, foi criado em 1917 o Mercado Público Municipal de Itajaí. Considerada uma das construções mais características do centro histórico da cidade, o Mercado Público carrega consigo muitas lembranças e fatos memoráveis. A bela construção foi quase destruída em 1.936, devido a um terrível incêndio. Depois deste acontecimento, o local foi totalmente restaurado e tombado como patrimônio histórico do município, para preservar a cultura dos povos europeus que colonizaram a cidade. Na sua arquitetura original o que chama atenção é o chafariz que fica no meio do pátio interno do mercado, traço marcante de construções ibéricas. Hoje o mercado é um delicioso espaço para se conhecer e desfrutar da gastronomia típica, artesanato e cruzar com as figuras mais antológicas da cidade.
CA referência mais remota ao número de habitantes de Itajaí data de 1.794: " todos os moradores fazem o número total de quarenta tantas pessoas", um enorme avanço para hoje, 153 anos depois, em torno de 200 mil habitantes. O primeiro Censo de Itajaí, data de 1.838. Os dados repousam no arquivo Público de SC. Havia apenas um pequeno barco, o Sete de Abril, de propriedade do coronel Agostinho Alves Ramos, e que se deslocava a Desterro (atual Fpolis). Já as canoas eram várias, e utilizadas para a pesca nos rios. No perímetro urbano, havia cerca de 50 casas, já contabilizados ranchos de precária estrutura, com teto de palha e paredes feitas de ripas. A única casa de alvenaria era do coronel Ramos, as demais tinham paredes de taipa, ou seja, pau a pique (ripas de madeira rejuntadas com barro).
Nesta data de 1.838, a população contabilizava 1.686 pessoas, das quais 163 eram negros. Destes moradores muito pouco se guardou a não ser alguns nomes e a vaga localização das suas terras, como Alexandre José de Azeredo Coutinho, que plantava no bairro Fazenda; José Coelho da Rocha, no Centro; José Correia de Negreiros e Silvestre Nunes Leal Corrêa, em Canhanduba e Itaipava; e Mathias Dias Arzão que tinha fazenda na Barra do Rio. Plantava-s e mandioca, aipim, milho, feijão, cana, batata doce, arroz e algodão. Também se pescavam muitas guaiviras, bagres, tainhas e robalos. Outra atividade era a construção e o reparo de embarcações, pois além da região contar com excelente mão de obra, era muito rica em madeira de qualidade, apropriada para a construção naval.
No seu livro Pequena História de Itajaí, o professor Édson D'Ávila, baseado em mapas hidrográficos de 1.858, definiu na confluência dos rios Itajaí-Açu e Mirim o ancoradouro do porto. Depois, o Ministério da Viação e Obras Públicas, dirigido pelo Itajaiense Lauro Muller, criou a Comissão de Melhoramentos do Porto de Itajaí. Assim, em 1.905, atracaram 85 navios no terminal. No ano seguinte, o serviço avançou na Avenida República Argentina, hoje Avenida Paulo Bauer, e no ano de 1.920 o número de navios saltava para 442. Em 1.927 foi assinado o contrato para a execução das obras pelo Ministro Victor Konder, outro itajaiense de renome no cenário político nacional. Mas, os trabalhos foram iniciar somente 10 anos após, por conta da revolução de 1.930. O primeiro trecho do cais 233 metros, foi finalizado na década de 40, nessa mesma época foi terraplenado e pavimentado o pátio, que ganhou armazém nos terrenos junto a Av. Eugênio Muller. A segunda parte do cais ficou pronta em 1.950 e a terceira em 1.956, bem como a construção do frigorífico, que atualmente não existe mais. O Porto de Itajaí, só foi considerado organizado e teve sua junta administrativa criada a partir do Decreto Federal de 28 de junho de 1.966, e foi municipalizado em 1.997.
Alunos e Professores no Pátio Interno, 1929 -  EDUCAÇÃO em ITAJAÍ:  A "escola de desemburrar", como o povo chamava a cadeira de primeiras letras de Itajaí, surgiu a partir da promulgação de lei em abril de 1.835. O primeiro professor foi Francisco José das Neves. A primeira escola particular da cidade, por sua vez, só veio em 1.904. Era a Deutsche Shule Itajahy, propriedade da Comunidade Evangélica Luterana e que disseminava a cultura alemã para filhos de famílias abastadas. A iniciativa  protestante estimulou os católicos que, em 1.908 fundaram o Colégio Paroquial São Luiz, que veio a ser a origem do colégio São José. Já o primeiro Grupo Escolar Público da cidade foi o Victor Meirelles, em 1.913.  Ó Ginásio Itajaí foi criado em  1.936 mas em 1.956 foi assumido pelos padres Salesiano, que o transformaram no atual Colégio Salesiano de Itajaí. Em 1.962, líderes sindicais fundaram o Ginásio Pedro Antonio Fayal. Pouco depois, em 1966, o Governo de SC instalou na cidade o primeiro educandário estadual. No início da década de 60, estudantes e secundaristas, liderados pela União dos Estudantes Secundários de Itajaí (UESI), iniciaram vibrante movimento pela criação de cursos superiores na cidade, o que se concretizou em 1.962. As Faculdades  de Ciências Jurídicas e Sociais e Filosofia, Ciências e Letras, foram iniciativa da Sociedade Itajaiense de Ensino Superior presidida pelo Dr. José Medeiros Vieira, advogado e professor. Depois, municipalizados, os cursos deram início à FEPEVI (1968 a 1970) que, quase duas décadas depois, se transformou na UNIVALI, hoje uma das maiores universidades do país.
Fonte: http://www.dicasdeturismo.clicrpm.com.br/  
ITAJAÍ/SC, 16 DE JUNHO DE 2014 - SEGUNDA-FEIRA